Contação de histórias: leve seus filhos por esse universo fantástico!

De fato, vivemos em um mundo em que o acesso das crianças às mídias e à tecnologia está cada vez mais constante. Com tanta informação chegando por meios de comunicação interativos, como a TV, o YouTube e os videogames, os livros estão sendo deixados de lado.

Diante disso, a contação de histórias pode ser de suma importância para vencer um dos maiores desafios de pais e professores durante a idade escolar: ajudar as crianças a tomarem gosto pela leitura. 

Neste post, veremos como introduzir seu filho nesse mundo de fantasia e imaginação e quais os benefícios da contação de histórias no desenvolvimento de um pequenino. Continue lendo e confira!

Os benefícios da contação de histórias

Como já dissemos, a contação de histórias pode trazer vários benefícios para uma criança em seu âmbito escolar. E não é necessário ser formado em psicologia para compreender que essa atividade lúdica mergulha a criança num mundo de imaginação.

Dessa forma, a contação de histórias ajuda os pequenos a entrarem em contato com conceitos como enredo e desfecho. E, especialmente, a se familiarizarem com os livros, o que os ajuda não apenas do ponto de vista cultural e literário, mas também com o próprio enriquecimento da linguagem.

Mesmo que feita de forma oral por parente e professores, a leitura é capaz de aguçar na criança momentos de interesse e concentração, construindo conceitos e visões de mundo sobre diferentes culturas do seu próprio jeito e no seu próprio tempo.

E isso tudo leva a criança a desenvolver a criatividade, educar suas emoções, estimular sua sabedoria e ainda enriquecer sua socialização, expandindo soluções em situações de tensão e desenvolvendo sua capacidade de comunicação.

Por fim, além de todas essas questões, a criança aprende a se identificar com personagens — sejam elas fadas, bruxas, crianças ou super-heróis. Além de construir valores éticos, de reflexão e, especialmente, de autoconhecimento, tendo contato com o que é bom ou ruim, bem ou mal, certo ou errado.

Como começar a contar histórias para seus filhos

Em primeiro lugar, para começar a trabalhar contação de histórias com seus filhos é preciso se diferenciar duas coisas: ler histórias e contar histórias. Ler uma história não pressupõe entonação ou grandes interpretações.

Contar histórias, por outro lado, é uma atividade completamente lúdica. A seguir, vejamos quais são os primeiros passos para a contação de histórias.

Primeiro passo 

Escolha dois ou mais livros que sejam apropriados para a idade dos seus filhos — e que te deem vontade de contá-los, afinal, a emoção do contador é a principal influenciadora no sucesso dessa atividade.

Separadas as opções, deixe a plateia escolher: se tiver um único filho, convide o cônjuge, o titio, a vovó, ou mesmo seus amiguinhos.

Mesmo que o livro seja escolhido por ter cores chamativas na capa ou desenhos engraçados, conte o que foi escolhido. E deixe que o peguem e descubram seu material enquanto você prepara o cenário.

Segundo passo 

É importante que você conheça bem o livro e a história antes de contá-la para seu filho. Leia, imagine situações, se coloque no lugar de todas as personagens.

Você vai precisar saber tudo para criar entonações e interações com seu público mirim, e ninguém consegue fazer isso ao ler algo de supetão! Então, prepare-se antes.

Terceiro passo 

Para ganhar a atenção da criança, também é interessante estabelecer um horário relativamente fixo para a contação de histórias. Isso ajuda a criar clima. Lembra daquele jargão dos anos 90, “senta que lá vem a história”? Tente criar exatamente esse momento com os seus filhotes!

Além disso, se pergunte sempre: esse lugar está confortável para as crianças? Esse espaço as inspira e as deixam confortáveis para fazer perguntas e se expressarem? Conseguirei ser ouvida com clareza?

Então, respondidas e conferidas todas essas perguntas e passos, vamos a ação!

Durante a contação de histórias

Preparado o momento e conquistada a plateia, vamos agora às dicas para durante a contação de histórias:

O olhar

Uma das maiores características da contação de histórias é a forma como o contador olha para as crianças. Olhe-as no olho, valorizando cada um individualmente. Esse olhar, além de captar sinais sobre como a narrativa está sendo recebida, pode capturar também como está sua audiência.

Entonação da voz

Esse ponto é tão importante que já até o citamos brevemente no início do texto. Em primeiro lugar, seja clara ao pronunciar cada palavra, e tente mudar o tom da sua voz de acordo com as personagens.

Além disso, preste atenção ao seu ritmo. Ele deve ter uma média perfeita: se for rápido demais, sua plateia não te entenderá; se for lento demais, ela se dispersará.

Então, dramatize, use pausas para dar impacto a acontecimentos, aumente ou abaixe o tom de voz de acordo com os diálogos, abuse de ruídos e palmas.

Movimento de corpo

Lembre-se: você está contando uma história, não propriamente a encenando. Então, movimente o corpo, faça gestos que estimulem a imaginação das crianças, mas tome cuidado para não assustá-las.

Durante a contação, tente criar um círculo imaginário para si e permaneça lá, usando somente desse espaço e parando apenas para interagir com o público — o que nos leva, aliás, ao próximo tópico.

Interação com os pequenos

É fundamental abrir um espaço para que os pequenos participem da história. Pergunte, cative, estimule-os a imitar gestos de acordo com as cenas ou a fazerem também ruídos, como o “toc toc” da porta, por exemplo.

Além disso, o dialogo também se faz importante após a contação. Fale sobre o autor, sobre o que eles entenderam da história, e entenda que nem toda as crianças estão na mesma sintonia. Lembre-se de respeitar a individualidade, o ritmo e a linguagem de cada um.

Embarque na fantasia 

Por fim, crie situações divertidas com seus filhos, em que eles possam aprender e participar da história.

Use fantasias, faça uma noite temática de príncipes e princesas, fadas e magos, ou até mesmo vilões. Crie pequenos cenários, como cabaninhas de cobertor ou casinhas improvisadas de almofadas. Enfim, invista no horário de vocês!

Com o tempo, você vai perceber o quanto é fácil desenvolver de forma cada vez mais desprendida do enredo exato do livro. Inclusive, já pensou que você pode contar a mesma história de formas diferentes para seu filho e convidá-lo para criar outras? Então, mãos à obra! 

E aí, gostou destas dicas sobre contação de histórias? Viu como melhorar o desenvolvimento do seu filho e ainda o seu relacionamento com ele, criando momentos mágicos entre vocês? Então, que tal compartilhar essas dicas com outros pais e ajudar a estimular a criatividade e a imaginação dos nossos pequenos?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + oito =