Precisamos conversar sobre os sintomas da depressão infantil

A depressão é, por muitos, conhecida como o “mal do século”. Não é para menos: a doença atinge, atualmente, cerca de 322 milhões de pessoas em todo o mundo.

Esse transtorno pode atingir indivíduos de qualquer raça, gênero e faixa etária. No entanto, a investigação acerca da depressão infantil é recente, com início apenas nos anos 70. Na verdade, não se fala muito sobre isso até hoje, não é mesmo?

Sabendo a importância da informação para a prevenção e tratamento adequados, preparamos um post para tirar todas as suas dúvidas sobre o assunto. Continue a leitura e saiba mais sobre as causas e sintomas da depressão infantil!

O que é depressão?

A depressão está inclusa em um grupo de doenças conhecidas como distúrbios mentais ou afetivos.

Resumidamente, a doença não está ligada apenas aos sentimentos. Ela é acompanhada por mudanças no funcionamento e até mesmo na morfologia do cérebro, além de outros sintomas físicos.

Além disso, a depressão está relacionada ao surgimento ou agravamento de outras patologias. Por isso, nada de achar que é apenas birra ou manha! Apesar de ser cercada por preconceitos, a depressão é, sim, uma doença e precisa ser tratada como tal.

Quais são as causas da depressão?

As causas da depressão são, ainda hoje, motivo de controvérsias entre os estudiosos. Do ponto de vista físico, acredita-se que a doença esteja ligada a problemas nos neurotransmissores, substâncias químicas que auxiliam os neurônios na transmissão de mensagens.

A hereditariedade também é levada em consideração, pois as crianças que têm pais com problemas psicológicos têm mais chances de ser depressivas.

No entanto, o problema também abrange questões psicológicas, com os chamados fatores estressantes. Os ambientes mais relevantes nesse contexto são o lar e a escola.

Problemas com os pais e família (rejeição, divórcio, brigas, violência) e na escola (pressão por parte dos professores, dificuldade de se encaixar nos grupos, competições e bullying) estão frequentemente ligados aos casos de depressão infantil.

Quais são os sintomas da depressão infantil?

Para que uma criança seja considerada depressiva, não basta que ela apresente sintomas de tristeza. É necessário que, além disso, ela manifeste pelo menos outros quatro sintomas e que eles durem ao menos duas semanas.

Em casos de luto, a contagem é diferente. Caso a criança esteja lidando com a perda de um ente querido, a depressão só passa a ser considerada se os sintomas persistirem por mais de dois meses, sem melhoras.

No caso da depressão em crianças e pré-adolescentes, os sintomas são normalmente separados por fases. Confira os principais sintomas de depressão em cada faixa etária:

0 a 2 anos

Por incrível que pareça, bebês podem sofrer com a depressão. Sentimentos de rejeição ou privação da companhia dos pais podem desencadear o problema. Entre os principais sintomas, estão:

  • rosto triste;

  • apatia (falta de emoção);

  • emagrecimento;

  • choro frequente (sem causas físicas);

  • irritabilidade;

  • inquietação;

  • insônia;

  • atraso no desenvolvimento motor ou da linguagem.

2 a 5 anos

Na chamada fase pré-escolar, já se nota um progresso em relação a linguagem e coordenação motora. Aqui, a criança passa a se reconhecer como um indivíduo e a descobrir o mundo por meio da curiosidade e criatividade. Os sintomas de depressão mais comuns nessa fase são:

  • inquietação;

  • timidez excessiva;

  • choro frequente;

  • apatia;

  • ansiedade de separação;

  • indiferença à separação;

  • insônia;

  • pesadelos;

  • falta de apetite;

  • dores de cabeça e estômago;

  • isolamento social.

7 a 12 anos

Na fase escolar, como o próprio nome já diz, a escola passa a fazer parte do mundo da criança. É, muitas vezes, um dos primeiros contatos dos pequenos com o mundo exterior, sem a presença dos pais. É uma fase sensível, em que os sintomas podem incluir:

  • dores abdominais;

  • expressão facial triste;

  • irritação;

  • falta de apetite;

  • hiperatividade;

  • insônia;

  • pesadelos;

  • sono excessivo;

  • regressão da linguagem;

  • agressividade (inclusive se pondo em perigo);

  • movimentos repetitivos;

  • enurese (não conseguir conter o xixi);

  • dependência excessiva;

  • sentimentos negativos (culpa, infelicidade);

  • queda no rendimento escolar;

  • queda na criatividade;

  • falta de vontade de ir à escola;

  • cansaço;

  • choro frequente e fácil.

12 a 19 anos

Todos sabemos quão delicadas são a pré-adolescência e a adolescência. Nelas, ocorre a transição da infância para a fase adulta, e o amadurecimento nem sempre é simples. Fique ligado a alguns dos sintomas mais importantes:

  • dificuldade de concentração;

  • baixo rendimento escolar;

  • isolamento social;

  • irritabilidade;

  • baixa energia;

  • perda de interesse por hobbies;

  • ansiedade;

  • baixa autoestima;

  • hipocondria (achar que sofre de doenças que não tem);

  • abuso de álcool e drogas;

  • desesperança;

  • ideações suicidas.

Vale lembrar que os sintomas variam de pessoa para pessoa. Por exemplo: há crianças naturalmente tímidas e introspectivas. Isso é um traço da personalidade que deve ser respeitado caso não traga prejuízos ao desenvolvimento social.

O problema surge quando os prejuízos passam a aparecer ou quando uma criança extrovertida passa a apresentar, repentinamente, uma timidez exagerada. Qualquer mudança comportamental súbita serve de alerta.

Como é feito o tratamento?

Ao notar sintomas de depressão em uma criança, o primeiro passo é marcar uma consulta com um médico pediatra. Ele eliminará causas físicas para os sintomas, que podem estar relacionados a outras doenças.

Caso não sejam encontradas outras causas, o pediatra encaminhará a criança para um psiquiatra ou psicólogo.

Com o diagnóstico de depressão infantil, inicia-se o tratamento. Para crianças, ele é normalmente composto apenas por sessões de terapia, feitas por um psicólogo infantil. Em casos mais extremos, um psiquiatra poderá receitar antidepressivos.

Qual o papel dos pais no tratamento?

Por meio do relacionamento com os pais, a criança constrói seu alicerce. Para ela, os pais (ou familiares em geral) são a personificação da segurança e da confiança. Um ambiente familiar composto de relações saudáveis é fundamental para a prevenção e tratamento da depressão infantil.

O principal papel da família na luta contra a doença é fornecer essa sensação de segurança, provendo um ambiente repleto de tranquilidade, sem hostilidade e conflitos excessivos.

Por isso, é importante estimular a criança depressiva e mostrar que ela não está sozinha e que é compreendida. O estímulo pode vir por meio de elogios, brincadeiras, passeios e outras atividades. Cuidados com a alimentação e a prática de esportes também devem ser considerados.

Além dos pais, também é importante que a escola faça parte do tratamento, com os professores ajudando a criança por meio de elogios e estímulos à socialização, para que ela brinque e interaja com os amiguinhos.

Como podemos perceber, a depressão não é um problema simples. Ela pode deixar sérias sequelas, que, por vezes, permanecem por toda a vida. Ao primeiro sinal de sintomas da depressão infantil, não hesite: procure um profissional.

Ficou com alguma dúvida ou tem alguma observação a fazer? Então deixe um comentário no post!

roupas infantis

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × cinco =